Quais repelentes são eficazes contra o Aedes aegypti?

Quem deve usar repelente? Crianças e gestantes podem se proteger com estes produtos? Quais repelentes são eficazes contra o Aedes aegypti? Qual é a duração de cada um deles? Devo comprar o repelente mais barato ou o mais caro? Estas perguntas são comuns para todas as pessoas que estão preocupadas com as doenças transmitidas pelos mosquitos do gênero Aedes, com destaque para a Dengue, a Zika, a Chikungunya e a Febre Amarela. Preparamos um post com informações da literatura especializada e de especialistas sobre o assunto para permitir que você proteja sua família e os colaboradores de sua empresa contra o Aedes aegypti.

A Communitor trabalha com o monitoramento do mosquito Aedes aegypti por meio de algorítimos computacional e georreferenciamento. Clique aqui para saber mais.

Princípios Ativos

Primeiramente, deve-se identificar no rótulo dos produtos o princípio ativo do repelente. Apenas produtos que contém como princípio ativo uma destas três substâncias são recomentados pela Organização Panamericana de Saúde, pelo Center for Disease Control dos Estados Unidos e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária como repelentes eficazes contra o Aedes aegypti: DEET (dietiltoluamida), IR 3535 ou Icaridina. Embora seja muito difundido no Brasil, o uso da Citronela ou de produtos dela derivados (velas, incensos, sprays) não é recomendável. Sua duração é muito curta e, portanto, sua eficácia como repelente ao mosquito da Dengue é muito baixa. O uso de citronela e outros repelentes caseiros deve ser evitado.

DEET

Repelente DEET

Serve como repelente de eficácia geral, sendo usado principalmente contra carrapatos, mosquitos, formigas e outros artrópodes. O DEET foi desenvolvido em 1944 pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para ser usado pelo exército daquele país, devido à necessidades levantadas durante as batalhas na selva da Segunda Guerra Mundial. Foi originalmente testado como pesticida em fazendas. Começou seu uso militar em 1946 e foi liberado para uso civil em 1957. Foi usado pelas tropas americanas na Guerra da Coréia e do Vietnã.

Outros nomes:

  • Diethyl Tollamide
  • Dietiltoluamida
  • N,N-dietil-meta-toluamida
  • N,N-dietil-3-metil-benzamida

 

IR 3535 (Insect Repellent 3535)

repelente IR3535

Trata-se de um repelente sintético originalmente desenvolvido pela Merck nos anos 1980. A Merck é a dona da marca IR 3535. É um aminoácido sintético que interfere no olfato dos insetos. É estruturalmente semelhante à substância natual  β-alanina – um amino ácido beta que é componente do ácido pantotênico, a vitamina B5. Tem sido usado na Europa há mais de 30 anos e, por lá, possui bons registros de segurança.

Outros nomes:

  • Ethyl butylacetylaminopropionate
  • Etil butilacetilaminopropionato
  • EBAAP
  • 3-[N-butil-N-acetil]-ácido aminopropiônico, etil ester
  • Merck 3535
  • OMS 3065

A Communitor trabalha com o monitoramento do mosquito Aedes aegypti por meio de algorítimos computacional e georreferenciamento. Clique aqui para saber mais.

 

Icaridina

repelente icaridin

Devido à alta incidência de malária durante suas missões à Guiana Francesa e na Floresta Amazônica, o Dr. Eric Lundwall, médico do Serviço de Doenças Infecciosas e Tropicais do Hospital Avicennes em Paris, na França, indicou ao exército os princípios ativos e suas concentrações com base em evidências médicas, para evitar epidemias. Lançada em 2002, a Icaridina chegou ao mercado mundial, em grande escala, no ano de 2004. A partir de 2005, o princípio ativo começou a ser vendido no Brasil.

Outros nomes

  • Picaridina
  • KBR3023
  • Hidroxietil isobutil-piperidina carboxilato
  • 2-(2-hidroxietil)-1-piperidine ácido carboxílico 1-metilpropil-ester

 

Infográfico

Veja a seguir o nosso infográfico sobre repelentes que combatem o mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Zika vírus, Chikungunya e Febre amarela:

Infográfico inseticida

A Communitor trabalha com o monitoramento do mosquito Aedes aegypti por meio de algorítimos computacional e georreferenciamento. Clique aqui para saber mais.

 Fontes:

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica sobre Repelentes e Saneantes 2015. http://www.communitor.com.br/downloads/notas-tecnicas/nota-anvisa-repelentes-e-saneantes-2015.pdf

Center for Disease Control. Health Information for International Travel 2016 (Yellow Book). http://wwwnc.cdc.gov/travel/yellowbook/2016/the-pre-travel-consultation/protection-against-mosquitoes-ticks-other-arthropods.

Center for Disease Control. http://www.cdc.gov/zika/transmission/sexual-transmission.html.

Center for Disease Control. Insect Repellent Use & Safety. http://www.cdc.gov/westnile/faq/repellent.html.

Environmental Protection Agency. Insect Repellents: Reducing Insect Bites. https://www.epa.gov/insect-repellents.

Ministère des Affaires sociales et de la Santé. Recommandations sanitaires pour les voyageurs 2016. http://invs.santepubliquefrance.fr/Publications-et-outils/BEH-Bulletin-epidemiologique-hebdomadaire/Archives/2016/BEH-hors-serie-Recommandations-sanitaires-pour-les-voyageurs-2016

Organização Panamericana de Saúde. Questions and Answers on vector control for Zika virus. http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=11841%3Apreguntas-frecuentes-control-vectores-virus-zika&catid=8424%3Acontents&Itemid=41711&lang=en.

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Uso de Repelentes em Crianças. http://www.sbd.org.br/sociedade-brasileira-de-dermatologia-alerta-sobre-o-uso-de-repelentes-em-criancas/

 

4 thoughts on “Quais repelentes são eficazes contra o Aedes aegypti?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *